ATÉ SEM ADVOGADO VITIMA DO CASA VERDE/BANCOOP SE LIVRA DE NOVAS COBRANÇAS.

ATÉ SEM ADVOGADO VITIMA DO RESIDENCIAL CASA VERDE
SE LIVRA DE NOVAS COBRANÇAS.

Neste caso, embora não seja aconselhável, a vitima do CASA VERDE
foi citada e ficou sabendo do processo de cobrança da Bancoop, mas
não se defendeu com um advogado no processo.

MESMO ASSIM obteve decisão favorável.

Sim, sem advogado a juíza sentenciou que a vitima do CASA VERDE NÃO DEVE
PAGAR MAIS NADA.

A juíza disse:

…. pela falta de individualização
vinculação e rastreabilidade, como apurado na auditoria
externa (realizada por “Terco Grant Thornton”), contratada pela própria
“Bancoop”, entre os recursos obtidos com o pagamento das prestações mensais,
por cada aderente-consumidor-consorciado-promitente-comprador, bem como
aqueles obtidos, com captação de recursos na “Bolsa de Valores”, por meio
do “Fundo de Investimento em Direitos Creditórios FIDC BANCOOP”, em relação
a cada empreendimento imobiliário , e o destino de cada recurso, não há como
estabelecer qualquer certeza de que ocorreu, de fato, “deficit”,
em relação a este ou aquele empreendimento imobiliário , e não má gestão
dos administradores da própria “Bancoop”, na utilização desses recursos.

explicação: a juiza disse que procedimentos da bancoop de GERENCIA são tão
ruins que a propria auditoria condenou!

JUIZA CITA PARTES DA AUDITORIA FEITA PELA PROPRIA BANCOOP:

A) ausência de controles financeiros devidamente individualizados por cooperado

B) não dispor de relatórios retroativos e individualizados que possibilitem
comporo saldo acumulado

C) não foi possível concluir sobre a adequação dos saldos

D) foram registradas na rubrica de retenções técnicas valores sem
a identificaçãodo documento fiscal,

E) a Cooperativa não apresentou um controle individualizado da composição
do seu capital social e do Fundo Garantidor de Quitação.

F) fragilidades identificadas nos controles internos.

G) a “Bancoop” unilateralmente apurou a partir de 2007 “déficit” desse
empreendimento.

Ante o exposto, JULGO IMPROCEDENTE o pedido,

I) para afastar a pretensão à cobrança, e resolvo a lide, com fulcro
no art. 269, inciso I, do Código de Processo Civil.

Ante o exposto, JULGO IMPROCEDENTE o pedido (cobrança da bancoop)
para afastar a pretensão à cobrança, e resolvo a lide, com fulcro no art. 269,
inciso I, do Código de Processo Civil.

VEJA NA INTEGRA

http://bancoop.forumotion.com/t4369-0628788-9420088260001-casa-verde-inexigibilidade-aula

======================================================

Moral da historia:

NO CASA VERDE a situação é tão fácil , que ate sem advogado para se
defender qualquer NOVA COBRANÇA fora do termo de adesão já pago, será CONDENADA.

(como no exemplo acima)

Mesmo, se entrar nova construtora para finalizar o que a Bancoop
não fez, ELA NÃO PODE COBRAR NINGUEM.

===================================

dica: é melhor usar advogado(a) e se defender, mesmo sendo bem facil condenar
as teses juridicas frageis da bancoop. Não vale a pena correr o risco de
deixar o processo correr sem defesa.

Mas uma coisa ém CERTA: até sem advogado e defesa a bancoop PERDE!

dica 2: só não use aqueles advogados que CRITICAM O MPSP!

CUIDADO: alguns estão atuando em seccionais INACABADAS com objetivo de
colocar construtora e cobrar vitimas que ja moram, para se defender NÃO
assine aceite algum!

Se a bancoop não pode cobrar mais nada…
imagine construtora que voce nem conhece!

=========================

Anúncios

About Verdades Bancoop

VITIMAS DA BANCOOP

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: